Histórico

O Cineclube Araucária de Campos do Jordão

Criada no dia 26 de março de 2011, na cidade de Campos do Jordão (SP), a Associação Cultural Cineclube Araucária é uma entidade sem fins lucrativos que mantém atividade regular voltada para a produção, formação profissional e difusão de obras audiovisuais na Cidade e na Região. Com mais de sete anos de existência, o Cineclube Araucária, como é conhecido, já se tornou uma instituição. Além da exibição de filmes, o Cineclube também promove Mostras, Exposições, Lançamentos, Cursos e Eventos que relacionam o Cinema com outras manifestações culturais, como é o caso do Encontro Cinemúsica que teve a sua história construída através de parcerias com a Universidade do Vale do Paraíba, a Secretaria Municipal de Cultura e a Associação dos Amigos de Campos do Jordão, onde artistas consagrados como Alaíde Costa, Maria Alcina, Maria Dapaz, Newton Zago, Daniel Cintra, Sandra Tonin, Milena, Maria Martha e Airton Roberto, executaram a trilha sonora ao vivo, ou o prólogo musical, para a exibição de filmes emblemáticos na história da sétima arte. Em 2013 o Cineclube Araucária lançou a ideia do projeto Cine Literatura, especialmente destinado a alunos do ensino médio e de cuja programação fizeram parte adaptações para o cinema, de clássicos da nossa literatura, como por exemplo, Morte e Vida Severina de João Cabral de Melo Neto, transformada em desenho animado por Afonso Serpa, em sessão aberta por palestra do escritor paraibano Luís Avelima. Ainda em 2013, a temporada de cinema do Cineclube Araucária começou com a presença da atriz e cineasta Helena Ignez apresentando o seu premiado filme Luz nas Trevas – A Volta do Bandido da Luz Vermelha. Nos últimos anos, o Cineclube Araucária também realizou exposições de obras relacionadas à história do cinema, como a exposição em homenagem a Alberto Cavalcanti, visitada por centenas de pessoas na sede da Associação dos Amigos de Campos do Jordão. A partir de 2015, além de participar do circuito da Mostra de Cinema e Direitos Humanos e da Mostra do Filme Livre, o Cineclube Araucária equipou o antigo Cine Glória de Campos do Jordão com tela panorâmica e ali vem realizando séries de Mostras Temáticas. Em seguida, implantou a primeira Biblioteca de Cinema da Cidade e o Memorial Cine Glória destinado à preservação de máquinas, equipamentos, mobiliário, latas de filmes e material de divulgação (cartazes, fotos, recortes de jornais e etc) que contam ao visitante a história da Sala de Cinema que foi inaugurada em janeiro de 1943, e em cuja edificação hoje funciona o Espaço Cultural Dr. Além, administrado pela Secretaria Municipal de Cultura. Desde 2015, realiza o Festival Curta Campos do Jordão que tem por objetivo a divulgação de curtas metragens produzidos a partir das Oficinas de Cinema promovidas pelo Cineclube ao lado de produções convidadas. Hoje o Cineclube Araucária conta com um acervo de mais de 2.000 filmes, cerca de 800 livros e mais de 200 cartazes de filmes, além de equipamentos de captação de imagens, projeção e sonorização.

O Festival

O Festival Curta Campos do Jordão é um projeto que vai muito além da difusão de material audiovisual produzido na Região da Mantiqueira e Vale do Paraíba, uma vez que o seu foco principal é a produção desse material a partir da realização de um intenso processo de formação através de Oficinas, Cursos, Palestras e Workshops que oferecem aos seus participantes uma visão abrangente dos mecanismos de criação, registro e tratamento das imagens em movimento. O salto qualitativo observado nas produções especialmente criadas para o Festival, de uma edição à outra, tem demonstrado a sua eficácia. Desde a primeira edição, em 2015, o Festival Curta Campos do Jordão vem apresentando excelentes resultados, tanto do ponto de vista artístico: a cada edição o padrão de qualidade das produções cresce sensivelmente, com reconhecimento marcante no mundo do audiovisual brasileiro, vista a quantidade de festivais em que os curtas produzidos pelo projeto são selecionados; quanto do ponto de vista da criação de oportunidades acadêmicas e profissionais, visto o número considerável de participantes que, a partir da experiência no projeto, optaram por seguir cursos de habilitação profissional na área do audiovisual. Nesse sentido, a criação de oportunidades profissionais é de extrema importância, sobretudo para os jovens em fase de conclusão do ensino fundamental e, porque não dizer, para aqueles que já cumpriram a sua missão no mercado de trabalho, uma vez que também é muito significativa a atuação de participantes sêniores em todas as suas etapas de realização.



Histórico do Festival

Tudo começou em 2015 quando, com o apoio do ProAC, da Secretaria Municipal de Cultura, da Associação dos Amigos de Campos do Jordão e do Campos do Jordão e Região Convention e Visitors Bureau, o Cineclube Araucária de Campos do Jordão decidiu incluir na sua programação regular um processo de formação na área do audiovisual através da realização de Oficinas de Cinema. Para a implementação dessa ideia, estabeleceu-se uma parceria entre o Cineclube e a Escola Estadual Prof. Camargo Freire, localizada na Vila Albertina em Campos do Jordão (SP). Essas Oficinas, especialmente pensadas para os alunos do ensino médio, porém abertas a todos os interessados, foram realizadas nas dependências da Escola, sob a orientação de profissionais especialmente convidados, como o cineasta Dimas Oliveira Júnior e o roteirista e editor Wagner Sampaio. Delas saíram seis curtas metragens criados e produzidos pelos participantes. Foi exatamente esse material que inspirou a criação de sessões especiais para a sua exibição pública, juntamente com outros filmes realizados por cineastas convidados. Nascia assim a primeira edição do Festival Curta Campos do Jordão que teve em seu corpo de jurados o cineasta Jeferson De e a roteirista e produtora Cristiane Arenas. Jeferson e Cris ficaram tão bem impressionados com o que assistiram que se dispuseram a estar em Campos ministrando as Oficinas de Cinema no ano seguinte. O número de participantes duplicou, o que fez com que as Oficinas passassem a acontecer no antigo Cine Glória de Campos do Jordão (atual Espaço Cultural Dr. Além). Na mesma medida, cresceu o número de produções, exibidas durante a programação da segunda edição do Festival. Em 2017, um grupo formado prioritariamente por participantes das Oficinas anteriores reuniu-se para dar continuidade ao processo de produção audiovisual na Cidade, com a criação do grupo Fazer Cinema, a partir do qual foram realizados os curtas apresentados na terceira edição do Festival, sempre ao lado de produções convidadas. Entre os dias 18 e 20 de outubro de 2018 acontecerá a quarta edição do Festival Curta Campos do Jordão, ainda com o apoio da Secretaria Municipal de Cultura e do Convention e Visitors Bureau. A novidade para esta quarta edição é que a Coordenação do Festival decidiu abrir completamente as suas portas para a participação de curtas metragens produzidos em qualquer região do território nacional. Os interessados em inscrever os seus filmes devem ler atentamente o regulamento e preencher todos os campos da ficha de inscrição, ambos disponíveis nesta página do Festival, juntamente com duas fotos (frames do filme), conforme indicado no regulamento. Boa sorte e bom Festival Curta Campos do Jordão a todos!

 

 

 

 

Galeria de Fotos

 

 

Balanço

Balanço das inscrições no 4º FCCJ

Sucesso absoluto no fechamento das inscrições para a quarta edição do Festival Curta Campos do Jordão. Obrigado a todos que atenderam ao nosso chamado para tomar parte no maior encontro de curta metragistas na Região da Mantiqueira.

Os números e, principalmente, a qualidade do material apresentado surpreenderam positivamente tanto os organizadores do Festival quanto a sua equipe de Curadores. Isto significa que a produção audiovisual brasileira está no caminho certo e que Campos do Jordão não perdeu o bonde dessa história. Durante as três semanas em que as inscrições estiveram abertas, recebemos 444 obras provenientes de 24 Unidades da Federação, incluindo o Distrito Federal.

A distribuição das fichas válidas é a seguinte: Alagoas (03), Amazonas (09), Amapá (01), Bahia (16), Ceará (21), Distrito Federal (13), Espírito Santo (08), Goiás (24), Maranhão (03), Minas Gerais (21), Mato Grosso (03), Mato Grosso do Sul (03), Pará (02), Paraíba (09), Pernambuco (28), Paraná (20), Rio de Janeiro (90), Rio Grande do Norte (17), Rondônia (01), Roraima (03), Rio Grande do Sul (33), Santa Catarina (05), Sergipe (06), São Paulo (105). Importante ressaltar que a produção não se concentra nas capitais. Muitas cidades do interior desses Estados marcaram presença, como por exemplo: Marituba (PA), Águas Lindas (GO), Congo (PB), Cabedelo (PB), Muriaé (MG), Nossa Senhora do Socorro (SE), Alvorada (RS), Ubatuba (SP), Paraná Mirim (RN), Caucaia (CE), São Vicente (SP), Niterói (RJ), Mogi das Cruzes (SP), Jacareí (SP), Caruaru (PE), Itapevi (SP), Pindamonhangaba (SP), Pelotas (RS), Jardim Botânico (DF), Lima Duarte (MG), Ipirá (BA), São José do Jacuípe (BA), Palhoça (SC), Duque de Caxias (RJ), Nova Iguaçu (RJ), etc e etc. Dos 444 inscritos para a Mostra Nacional, 254 são curtas metragens de ficção, 123 documentários, 41 experimentais e 26 animações.

Desse total, a Comissão de Seleção elegeu para compor a programação do 4º FCCJ que acontecerá entre os dias 18 e 21 de outubro de 2018 no antigo Cine Glória de Campos do Jordão (atual Espaço Cultural Dr. Além), localizado na Av. Januário Miráglia nº 1582 – Vila Abernéssia, 46 filmes distribuídos da maneira seguinte: 22 curtas de ficção, 11 documentários, 7 animações e 6 experimentais.

Para a Mostra Local, o Festival contará com 8 produções jordanenses. São elas: Boite Poética Noturna, de Beto Strada; Socos, de Sérgio Sachs e Cervantes Sobrinho; Clara, de Lucíola Nejar; Vida Caipira, de Sérgio Sachs; Gruta dos Crioulos, de Cervantes Sobrinho; Amores em Campos do Jordão, de Carlos Diego Amarantes Poeta e Handel Belo Aguiar; Cosmos, de Lucíola Nejar; O Jogo, de Paulo Gomes.

Consulte a lista completa dos selecionados e a sua distribuição pelas sessões e respectivas datas e horários no quadro seguinte. Todos concorrem ao Troféu Araucária de Cinema 2018. Boa sorte, portanto, a todos.

 

 

 

 

Sessões

4º FCCJ – SESSÕES

18/10/2018 – quinta feira – 19:30

01) Boite Poética Noturna, de Beto Strada (C. Jordão - SP) – Ficção – 6’ – 2018
02) Uma Balada para Rocky Lane, de Djalma Galindo (Recife – PE) – Documentário – 20’ – 2017
03) Rick com Monstros nos Dedos, de Almir Correa (Curitiba – PR) – Animação – 11’ – 2018
04) Degrau, de Bernardo Silvino (Belo Horizonte – MG) – Experimental – 7’ – 2018
05) Coxinha, de Cristiano Souza e Ivan Martins (Goiânia – GO) – Ficção – 12’ – 2017
06) Censurado, de Pedro Buson (Brasília – DF) – Ficção – 9’ – 2017
07) O Encontro, de Helder Santos (São Paulo – SP) – Ficção 15’ - 2018
08) Ymã Arandu, de Maia Lannes (Rio de Janeiro – RJ) – Documentário – 15’ – 2017
09) Sinopse, de Felipe Saleme e Lara Koer (Mogi das Cruzes – SP) – Ficção – 17’ – 2018
10) Socos, de Sérgio Sachs e Cervantes Sobrinho (C. Jordão – SP) – Documentário – 11’ – 2018

19/10/2018 – sexta feira – 19:30

01) Clara, de Lucíola Nejar (C. Jordão – SP) – Ficção – 7’ – 2018
02) Gaiola, de Victor Fisch (Ubatuba – SP) – Experimental – 10’ – 2018
03) Pedro e o Velho Chico, de Renato Gaia (Belo Horizonte – MG) – Animação – 18’ – 2017
04) Minha Mãe, Minha Filha, Alexandre Estevanato (S. J. do R. Preto – SP) – Ficção – 16’ – 2018
05) Cine Rio Branco, de Eudaldo Monção Jr. (Nazaré – BA) – Documentário – 17’ – 2017
06) Xavier, de Ricky Mastro (São Paulo – SP) – Ficção – 13’ – 2016
07) Mocinho e Bandido, de Guto Bozzetti (Porto Alegre – RS) – Ficção – 15’ – 2018
08) Cultura nos Trilhos – Biblioteca Comunitária Vila Aracy, de Marcos Paulo Jones Maciel (Duque de Caxias – RJ) – Documentário – 9’ – 2018
09) Vida Caipira, de Sérgio Sachs (C. do Jordão) – Documentário – 18’ – 2018

20/10/2018 – sábado – 15 horas

01) O Consertador de Coisas Miúdas, de Marcos Buccini (Caruaru – PE) – Anim. – 10’ – 2017
02) A Piscina de Caique, de Rafael Gustavo da Silva (Goiânia – GO) – Ficção – 15’ – 2017
03) Futebol, de Fernando Castro (Osasco – SP) – Ficção – 3’ – 2018
04) A Formidável Fabriqueta de Sonhos Menina Betina, de Tiago Ribeiro (Belém – PA) – Animação – 8’ – 2017
05) Médico de Monstro, de Gustavo Teixeira (Pindamonhangaba – SP) – Ficção – 11’ – 2017
06) A Natureza Agradece, de Ana Maria Cordeiro e Ricardo de Podestá (Goiânia – GO) – Animação – 14’ – 2018
07) Você Só Dá Aula?, de Fabiano Keller e Mariana Sposati (São Vicente – SP) – Documentário – 19’ – 2016
08) Brilho Eterno de Uma Lembrança Sem Mente, de Clodoaldo Lino (Rio de Janeiro – RJ) – Experimental – 2’ – 2017
09) Como Era Gostoso Meu Príncipe, de Fernanda de Paula (Muriaé – MG) – Ficção – 5’ – 2016
10) Próxima, de Luiza Campos (São Paulo – SP) – Ficção – 15’ – 2017
11) Amores em Campos do Jordão, de Carlos Diego Amarantes Poeta e Handel Belo Aguiar (Campos do Jordão – SP) – Documentário – 12’ – 2018

20/10/2018 – sábado – 19:30

01) Cosmos, de Lucíola Nejar (Campos do Jordão – SP) - Experimental – 3’ – 2018
02) O Malabarista, de Iuri Moreno (Goiânia – GO) – Animação – 11’ – 2018
03) Catarro, de Paulo Dumaresq (Natal – RN) – Documentário – 11’ – 2018
04) Transvivo, de Tati Franklin (Vitória -ES) – Documentário – 20’ – 2017
05) Aquela Rua Tão Triunfo, de Gabriel Carneiro (São Paulo – SP) – Ficção – 16’ – 2016
06) Um Café e 4 Segundos, de Cristiano Requião (Rio de Janeiro – RJ) – Ficção – 16’ – 2018
07) A Estranha Velha que Enforcava Cachorros, de Thiago Morais (Manaus – AM) – Documentário – 7’ – 2017
08) Vidas Cinzas, de Leonardo Martinelli (Rio de Janeiro – RJ) – Documentário – 15’ – 2017
09) Raskolnikov, de Moisés Pantolfi (Guarulhos – SP) – Animação – 1’ – 2018
10) Escolhas, de Ivann Willig (Rio de Janeiro – RJ) – Ficção – 20’ – 2017
11) O Jogo, de Paulo Gomes (C. do Jordão – SP) – Ficção – 11’ – 2018

21/10/2018 – domingo – 18 horas

01) Gruta dos Crioulos, de Cervantes Sobrinho (C. do Jordão – SP) – Ficção – 9’ - 2018
02) O Estranho, de Alex Pizano (Boa Vista – RR) – Ficção – 11’ – 2012
03) Sentinelas, de Andrei Ferreira (Itabaiana – SE) – Experimental – 3’ – 2018
04) Casca de Baobá, de Mariana Luiza (Rio de Janeiro – RJ) – Ficção – 12’ – 2017
05) A Viúva de Perdizes, de Diogo de Nazaré (São Paulo – SP) – Ficção – 16’ – 2018
06) Na Pele de Charlotte, de Glaucia Veloso (Jacareí – SP) – Documentário – 6’ – 2015
07) Imagem Final, de Antonio Fargoni (São Paulo – SP) – Ficção – 1’ – 2017
08) Três Viajantes Num Mar de Fragmentos, de Elisa Guerra e Mônica Klemz (Niterói – RJ) – Experimental – 4’ – 2016
09) Carroça 21, de Gustavo Pera (São Paulo – SP) – Documentário – 12’ – 2018
10) Abismo, de Lucas Reis (Alvorada – RS) – Ficção – 12’ – 2018
11) Em Torno do Sol, de Júlio Castro e Vlamir Cruz (Natal – RN) – Ficção – 12’ – 2017
12) Antes Eclipse Depois, de Almir Correa (Curitiba – PR) – Experimental – 7’ – 2018
13) Microscopia, de Camila Coelho Brandão (São Paulo – SP) – Ficção – 15’ – 2017

 

 

 

 

Resultado do 4º Festival Curta Campos do Jordão



Após a quinta sessão do 4º FCCJ que exibiu na telona do antigo Cine Glória de Campos do Jordão (atual Espaço Cultural Dr. Além) 8 filmes de curta metragem na Mostra Local e 46 na Mostra Nacional nas categorias Experimental, Animação, Documentário e Ficção, todos eles concorrendo ao troféu Araucária de Cinema 2018, por decisão do público, através de votação direta e secreta e por deliberação do Júri composto por Benilson Toniolo (secretario de Cultura de Campos do Jordão) Rusi Millán Pastori (cineasta argentino – diretor do longa Laí, exibido na Mostra Internacional de São Paulo), Carolina Mestriner (pesquisadora e produtora executiva em cinema) e Clarissa Kuschnir (jornalista, consultora em projetos cinematográficos e sócia da revista Preview), saíram vencedores os seguintes trabalhos:

Clara, de Lucíola Nejar
CLARA, de Lucíola Nejar – Campos do Jordão (SP) Ficção – 7 min. – 2018 – Melhor Curta Jordanense 2018 pelo voto popular, empatado com


SOCOS, de Sérgio Sachs e Cervantes Sobrinho
SOCOS, de Sérgio Sachs e Cervantes Sobrinho – Campos do Jordão (SP) – Documentário – 11 min. – 2018 – também vencedor como Melhor Curta Jordanense de 2018 por decisão do Júri.


GAIOLA, de Victor Fisch
GAIOLA, de Victor Fisch – Ubatuba (SP) – 10 min. Melhor Curta Experimental 2018 por decisão do Júri.


O MALABARISTA, de Iuri Moreno
O MALABARISTA, de Iuri Moreno – Goiânia (GO) – 11 min. – 2018 – Melhor Curta de Animação 2018 Por decisão do Júri.


YMÃ ARANDU, de Maia Lannes
YMÃ ARANDU, de Maia Lannes – Rio de Janeiro (RJ) – 15 min. – 2017 – Melhor Curta Documentário 2018 Por decisão do Júri.


XAVIER, de Ricky Mastro
XAVIER, de Ricky Mastro – São Paulo (SP) – 13 min. – 2016 – Melhor Curta de Ficção 2018 por decisão do Júri.


Além da apresentação de um, total de 54 curtas o Festival contou ainda com um produtivo bate papo com a especialista em Marketing de Cinema, Renata Ishihama.

Bate papo com Renata Ishihama


E para segurar o friozinho do alto da Serra, mesmo durante a primavera em Campos do Jordão, um delicioso caldinho quente nos intervalos, preparado com carinho pelas nossas bravas colaboradoras voluntárias: Valdenice Elvas e Jocelyne Aymon, vindas diretamente de Manaus e Embu das Artes para participar da produção da quarta edição do Festival Curta Campos do Jordão.

Caldinho quente pra segurar o frio da serra


Voluntários

 

 

 

 

Fale Conosco


contato@fccj.com.br